Urbanismo Verde sob a ótica da arquitetura paisagística

Avaliação do Usuário

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

O verde deixou algo somente estético (embora isso também seja muito importante) para ser uma solução para as cidades.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 1 

Vamos enfatizar o caso de São Paulo, que cresceu muito rápido, substituindo as áreas rurais, predominantemente revestidas de vegetação por densas áreas construídas e impermeabilizadas. Nesse processo pouco planejado, perdeu-se muita área permeável e verde, fazendo com que a "terra da garoa", que é uma chuva fina e criadora, fosse transformada na terra da seca e das tempestades destruidoras.

 

Essa mudança ocorreu em grande parte pelo enorme crescimento da cidade com muita massa construída e com muito concreto, gerando uma grande ilha de calor, causada pela radiação solar. Essas tempestades, com muito vento e precipitação rápida têm trazido grandes transtornos, como enchentes, sujeira espalhada, quebra de galhos, tombamento de árvores, etc.

 

 

 

 

Benedito Abbud - Parauapebas - Manaus - AM 3

As árvores como todos os seres vivos, nascem, crescem, podem ficar doentes e morrem. Embora tragam ótimos benefícios à vida urbana precisam de cuidados, principalmente os fitossanitários para evitar doenças e ataques de pragas, como as brocas e os cupins tão frequentes em São Paulo.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 14

Hoje já existem tecnologias de chips para o monitoramento das espécies que poderiam facilitar esses cuidados.

A vegetação tem uma enorme importância para o meio ambiente: ameniza a temperatura, reduz a amplitude térmica; minimizam as ilhas de calor, melhora a umidade relativa do ar e ajuda a diminuir a poluição das partículas do ar.

 

A vegetação e em especial as árvores também trazem muitos benefícios para as pessoas e para a qualidade da vida no meio urbano: propiciam ambientes agradáveis e acolhedores, minimizando o stress; proporcionam sombreamento, ventilação e frescor; harmonizam a paisagem edificada, em geral descontínua e desarmônica; trazem conforto e adéquam a escala humana à volumetria edificada; criam surpresas no percurso trazendo encantamento; trazem frutos atraindo pássaros; propiciam floradas que podem tingir a paisagem numa época do ano, desfazendo a monotonia; trazem beleza que gera dignidade e dignidade provoca o sentimento de cidadania e pertencimento àquela cidade.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 15

Assim torna-se fundamental a rearborização planejada da cidade com o intuito de fazer com que as chuvas pudessem novamente penetrar no seu solo. Esse planejamento deve aproveitar todo o potencial da arborização como as diversificações das florações, colorações, frutificações, formas, portes, volumetrias, texturas, etc.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 18

Mas como vencer esse desafio num tecido urbano já consolidado?

A primeira ideia é garimpar espaços para incentivar o plantio de novas árvores.

Criar novos espaços como pracinhas de esquina e miniparques ou revegetar espaços particulares como os quintais e recuos frontais dos lotes e espaços públicos como as praças, canteiros centrais de vias e rotatórias existentes, são algumas opções para aproximar o verde dos centros urbanos.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 3

A segunda ideia é fazer com que as águas da chuva deixem de correr rapidamente sobre os pavimentos impermeabilizados para as bocas de lobos.  Nesse processo, o volume das águas das tempestades, somadas aos tubos entupidos pela falta de manutenção do sistema de drenagem, causam terríveis enchentes anuais, que infelizmente se sucedem ao longo de anos, sem uma atitude efetiva de solução.

Benedito Abbud - Coluna Fevereiro 2015 17

Uma solução sustentável é criar sistemas para infiltração das águas no solo alimentando assim os lençóis freáticos, hidratando a vegetação, melhorando a umidade do ar e minimizando as enchentes.

Essas soluções seriam:

- Uso de pisos permeáveis feitos com material poroso (em geral cimento e brita) assentados sobre coxim de areia que torna possível a pavimentação sem impermeabilizar a superfície. Esses pisos permitem que até 90% das águas penetre no solo

- Uso das chamadas infraestruturas verdes que são biovaletas e jardins de chuva. Biovaletas são valas para condução e infiltração das águas de chuva, contendo vegetação para evitar erosão, construídas de forma especial para evitar empoçamentos e consequências como a dengue. Jardins de chuva são valas planas em geral largas e rasas, também ajardinadas com plantas adequadas, com sistemas de infiltração para evitar a longa permanência do filme de água trazendo doenças.

Benedito Abbud - Parauapebas - Manaus - AM 4

 - Cacimbas: são depressões construídas em áreas baixas do terreno para o acúmulo das águas

- Colmeias de infiltração. São vazios subterrâneos, similares aos piscinões, estruturados por colmeias de placas de plástico reciclado, para a reserva e a infiltração gradativa das águas pluviais no solo. Podem funcionar integrados as biovaletas e jardins de chuvas. Por serem subterrâneos podem polir através da própria camada superior de terra, as águas que trazem a poluição das ruas e calçadas. Assim acumulam água limpa que também podem ser usadas para reuso. Quando essa for a finalidade, a colmeia deve ser construída envelopada por manta impermeável transformando-se numa caixa d'água.

0.0.0 benedito abbud assinatura

 

Arquiteto Paisagista Benedito Abbud

 

 

O verde deixou de ser um elemento meramente estético (embora isso também seja muito importante) para ser uma solução para as cidades.

Vamos enfatizar o caso de São Paulo, que cresceu muito rápido, substituindo as áreas rurais, predominantemente revestidas de vegetação por densas áreas construídas e impermeabilizadas. Nesse processo pouco planejado, perdeu-se muita área permeável e verde, fazendo com que a "terra da garoa", que é uma chuva fina e criadora, fosse transformada na terra da seca e das tempestades destruidoras.

Essa mudança ocorreu em grande parte pelo enorme crescimento da cidade com muita massa construída e com muito concreto, gerando uma grande ilha de calor, causada pela radiação solar. Essas tempestades, com muito vento e precipitação rápida têm trazido grandes transtornos, como enchentes, sujeira espalhada, quebra de galhos, tombamento de árvores, etc.

As árvores como todos os seres vivos, nascem, crescem, podem ficar doentes e morrem. Embora tragam ótimos benefícios à vida urbana precisam de cuidados, principalmente os fitossanitários para evitar doenças e ataques de pragas, como as brocas e os cupins tão frequentes em São Paulo.

Hoje já existem tecnologias de chips para o monitoramento das espécies que poderiam facilitar esses cuidados.

A vegetação tem uma enorme importância para o meio ambiente: ameniza a temperatura, reduz a amplitude térmica; minimizam as ilhas de calor, melhora a umidade relativa do ar e ajuda a diminuir a poluição das partículas do ar.

A vegetação e em especial as árvores também trazem muitos benefícios para as pessoas e para a qualidade da vida no meio urbano: propiciam ambientes agradáveis e acolhedores, minimizando o stress; proporcionam sombreamento, ventilação e frescor; harmonizam a paisagem edificada, em geral descontínua e desarmônica; trazem conforto e adéquam a escala humana à volumetria edificada; criam surpresas no percurso trazendo encantamento; trazem frutos atraindo pássaros; propiciam floradas que podem tingir a paisagem numa época do ano, desfazendo a monotonia; trazem beleza que gera dignidade e dignidade provoca o sentimento de cidadania e pertencimento àquela cidade.

Assim torna-se fundamental a rearborização planejada da cidade com o intuito de fazer com que as chuvas pudessem novamente penetrar no seu solo. Esse planejamento deve aproveitar todo o potencial da arborização como as diversificações das florações, colorações, frutificações, formas, portes, volumetrias, texturas, etc. 

Mas como vencer esse desafio num tecido urbano já consolidado?

A primeira ideia é garimpar espaços para incentivar o plantio de novas árvores.

Criar novos espaços como pracinhas de esquina e miniparques ou revegetar espaços particulares como os quintais e recuos frontais dos lotes e espaços públicos como as praças, canteiros centrais de vias e rotatórias existentes, são algumas opções para aproximar o verde dos centros urbanos.

A segunda ideia é fazer com que as águas da chuva deixem de correr rapidamente sobre os pavimentos impermeabilizados para as bocas de lobos. Nesse processo, o volume das águas das tempestades, somadas aos tubos entupidos pela falta de manutenção do sistema de drenagem, causam terríveis enchentes anuais, que infelizmente se sucedem ao longo de anos, sem uma atitude efetiva de solução.

Uma solução sustentável é criar sistemas para infiltração das águas no solo alimentando assim os lençóis freáticos, hidratando a vegetação, melhorando a umidade do ar e minimizando as enchentes.


Essas soluções seriam:

- Uso de pisos permeáveis feitos com material poroso (em geral cimento e brita) assentados sobre coxim de areia que torna possível a pavimentação sem impermeabilizar a superfície. Esses pisos permitem que até 90% das águas penetre no solo

- Uso das chamadas infraestruturas verdes que são biovaletas e jardins de chuva. Biovaletas são valas para condução e infiltração das águas de chuva, contendo vegetação para evitar erosão, construídas de forma especial para evitar empoçamentos e consequências como a dengue. Jardins de chuva são valas planas em geral largas e rasas, também ajardinadas com plantas adequadas, com sistemas de infiltração para evitar a longa permanência do filme de água trazendo doenças.

- Cacimbas: são depressões construídas em áreas baixas do terreno para o acúmulo das águas 

- Colmeias de infiltração. São vazios subterrâneos, similares aos piscinões, estruturados por colmeias de placas de plástico reciclado, para a reserva e a infiltração gradativa das águas pluviais no solo. Podem funcionar integrados as biovaletas e jardins de chuvas. Por serem subterrâneos podem polir através da própria camada superior de terra, as águas que trazem a poluição das ruas e calçadas. Assim acumulam água limpa que também podem ser usadas para reuso. Quando essa for a finalidade, a colmeia deve ser construída envelopada por manta impermeável transformando-se numa caixa d'água.

Arquiteto Paisagista Benedito Abbud.

Adicionar comentário


Código de segurança Gerar novo código

Publicidade

Newsletters

Cadastre-se e receba  nossas novidades.

Siga-nos

Siga nossas redes sociais

facebook verde twitter verde Instragran verde

Últimas Matérias Publicadas

  • Idealização da Praça Ayrton Senna do Brasil

  • Tendências na arquitetura para lojas de moda

  • CASACOR RS 2017 chega a sua 26ª edição

  • Confira o lindo jardim vertical no interior de São Paulo com GreenWall Ceramic

  • Linha Levve marca presença na Casa Cor SP 2017

  • 1